OTbrain

Loading...

OTbrain

Register

Processo TO - 15 de Fevereiro, 2022

#35 Práxis VS Funções Executivas

Práxis vs Funções Executivas

  • Funções Executivas:

  •  
  • Funções executivas é um termo genérico usado para descrever uma variedade de competências cognitivas que envolvem a autorregulação, o controlo mental do comportamento/tomada de decisão, a atenção, a memória de trabalho, a flexibilidade cognitiva, o pensamento antecipatório, o planeamento e a organização.
  • A Dra. Teresa-May Benson, uma conhecida investigadora na área da práxis ideacional e uma especialista na área de integração sensorial, recentemente expandiu e esclareceu, através da sua investigação as diferenças entre as funções executivas e a práxis.
  •  
  •  
  • Práxis:

  •  
  • Práxis é a capacidade de reconhecer as possibilidades de utilização dos objetos e combinar essas informações com o conhecimento do corpo para planear, organizar e executar uma série de ações. 
  • A práxis é mais imediata, ao contrário das funções executivas, que abrangem informações ao longo do tempo e do espaço (por exemplo, o curso de um dia). Frequentemente, os sinais de défices de práxis e funções executivas parecem sobrepor-se e podem não ser bem diferenciados pelos diferentes profissionais.
  •  
  •  
  •  
  • Práxis e Funções Executivas

  •  
  • Se uma criança apresenta défices sensoriais e motores, então a autorregulação e o desenvolvimento das funções cognitivas de nível superior relacionadas com as ações motoras podem também estar afetadas. 
  • Embora as funções executivas, sensoriais e práxicas afetem as competências de autorregulação, é importante identificar os componentes de cada área, que contribuem para o perfil de aprendizagem da criança num todo, para se poderem determinar as melhores intervenções e estratégias de apoio.
  • Através da prática clínica e estudos sobre como ajudar as crianças com diagnóstico de Perturbação do Défice de Atenção (PDA) e perturbação do processamento sensorial, é possível perceber que crianças com diagnóstico de PDA ou Perturbação da Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA) exibem movimentos oculares excessivos, o que pode contribuir para a manifestação de distratibilidade.
  •  
  •  
  • Por isso, sugere-se a utilização de atividades que apoiam o desenvolvimento do controlo oculomotor e a integração da visão com o movimento. O resultado é uma melhoria nas capacidades de atenção visual. As crianças com PDA/PHDA também podem apresentar impulsividade e um inadequado controlo corporal, colocando-as em risco nas suas brincadeiras.
  •  
  •  
  • Assim, as questões de segurança são trabalhadas através de intervenções sensoriais e práxicas, onde tanto as competências corporais quanto o conhecimento sobre as características dos objetos no ambiente, são construídas. Para muitas das crianças, o resultado é aumento da consciência sobre o meio ambiente, mais participação em atividades direcionadas a objetivos com competências motoras e um aumento na capacidade da criança de participar em brincadeiras mais complexas.
  •  
  •  
  • É amplamente reconhecido que crianças com PDA também demonstram dificuldades nas funções executivas. Portanto, quando confrontadas com uma tarefa de aprendizagem que requer a resolução de problemas, elas podem desistir facilmente, ficar frustradas ou exibir um comportamento de evitamento ou recusa à tarefa. Elas também podem ter dificuldade em organizar os materiais, seguir as rotinas diárias para a conclusão dos trabalhos de casa ou colaborar com gráficos de recompensas, quando a recompensa é menos imediata no tempo.
  •  
  • Para uma criança com Dificuldades nas Funções Executivas, as recompensas de curto prazo frequentes podem ser mais benéficas. Por estas razões, as estratégias de suporte, como organizadores gráficos, planeadores, listas de verificação, etc. tornam-se ferramentas valiosas para dar suporte às lacunas nas competências que envolvem as funções executivas. No entanto, se existirem componentes sensoriais e motores subjacentes que não são identificados ou tratados simultaneamente, é provável que esses tipos de adaptações por si só não resultem numa melhoria geral significativa das funções diárias ou na redução da necessidade de orientação/supervisão de um adulto.
  •  
  •  
  • Como podes ver, para uma criança com suspeita de dificuldades nas funções executivas ou que tem um diagnóstico no qual os problemas das funções executivas são prevalentes, como o autismo, a PDA ou a perturbação de aprendizagem não verbal, é importante explorar todas as peças do “puzzle” dessa criança.Podem existir componentes sensoriais e motores subjacentes que ainda não foram identificados, mas que desempenham um papel significativo na capacidade geral da criança se autorregular, estar ativamente envolvida no processo de aprendizagem e desenvolver maiores competências de aprendizagem independentes.
  •  
  •  
  • Escrito por: Aubrey Schmalle, SIPT, OTR/L, Director of Sensational Achievements, LLC
  •  
  • Retirado e adaptado de: https://sensational-achievements.com/praxis-executive-function/

[NOVO] Artigos OTbrain

×